folhados

folhados

Folhas secas pelo chão, de outono a despedir-se, com o vento em confusão, a dançar sem deter-se.

Folhas que um dia eram verdes, da primavera a nascer, hoje caem sem reservas, sem saber onde vão perecer.

Mas não morrem, não senhor, as folhas sabem mudar, e no inverno, com fervor, vão renascer, sem hesitar.

Tal qual a vida que segue, com altos e baixos a fluir, as folhas mostram coragem, e ensinam que é preciso persistir.

Assim, a cada estação, as folhas nos lembram de viver, e que em cada transformação, há sempre algo novo a aprender.

Deixe um comentário